A poucos dias, após eu sair do meu emprego, um amigo me disse.

– Pode ser a frase mais clichê, mas se você não está feliz onde trabalha, não vale a pena ficar lá.

Isso me fez refletir o que até hoje fiz em minha vida e percebi que muitas vezes fiz o que não amava. E isso é comum, pois precisamos de emprego e dinheiro para suprirmos outras necessidades. Não dá para viver o tempo odo fazendo apenas o que se ama. Porém percebi que sempre criei situações para ficar mais perto do que eu gosto, que é a comunicação.

Fiquei anos trabalhando com comércio exterior, confesso que nem sabia que não gostava dessa área. Porém comecei a fazer uns trabalhos de interno da qualidade, área a qual me identifiquei e 8 anos depois trabalhava como coordenador de qualidade.

O mesmo aconteceu na faculdade, quando aluno tive um professor chamado Luca (que é meu amigo até hoje). Adorava as aulas desse cara. Resolvi que seria professor. Assim que me formei pedi para o diretor Hélio (que é meu amigo até hoje) para acompanhar alguns professores. Fiquei auxiliando-os durante dois anos sem ganhar um real sequer. Porém depois desse período consegui minhas aulas e sou professor até hoje.

Agora, após ter recebido uma promoção muito legal para a gerência, percebo que gostava de fazer o que fazia antes. Então tomo a decisão de voltar a ser consultor de negócios. Vai levar um tempo para eu atingir meu padrão de vida anterior? É claro que vai, porém as experiências do passado me ajudarão a passar por mais essa.

O que eu vejo aqui? Eu vejo que você precisa procurar a felicidade no trabalho sim. Você não conseguirá ser produtivo o suficiente para atingir o sucesso se você não fizer o que ama.

Acontece que as algumas pessoas entendem que na vida as escolhas são poucas. Ou você é feliz no trabalho, ou você será uma pessoa infeliz, ou então tem que jogar tudo para cima e viver de luz.

Eu não acredito que seja dessa forma. Eu acredito em transição. O que eu quero dizer com isso? Se você não está feliz no trabalho, você não deve chutar tudo de imediato. Você deve montar um processo que consiste de:

Diagnóstico: Que nota você daria para a sua felicidade (de 0 a 10) atual? O que você realmente gostaria de fazer? Que nota você daria para a sua felicidade quando você estiver fazendo o que gosta?

Plano para a transição: Existe uma forma de você migrar aos poucos para o seu sonho? Tem como você iniciar seu novo trabalho sem precisar largar o antigo? Consegue fazer isso em horários livres? Consegue dividir seu tempo?

Fortificando seu novo trabalho: Consegue receber dinheiro com sua nova função? Você precisa começar a ser pago pelo que faz, apesar de ser sua felicidade, não é seu hobby.

Novo diagnóstico: Consegue adequar seu padrão de vida ao que você começa a receber de seu novo trabalho? Se não, tem uma reserva financeira para se segurar nos primeiros meses?

Criar Coragem: Depois de tudo iso feito amigo. É hora de criar coragem e largar o que te fazia infeliz para o que te deixa realizado. E esse momento amigo, não é fácil. Você se acostuma a trabalhar onde não mair brilhas seus olhos em troca de dinheiro e dos anos que você tem construído, mas vá atra´s do que você merece. Para isso é preciso de coragem.

Agora em seu novo trabalho, saiba que nem tudo são flores, mas também que não existe nada muito desesperador. Quando pensamos em largar o emprego de muitos anos, ficamos assustados pensando que é o fim da nossa carreira profissional. Posso te contar que em poucos dias você está com toda sua energia para realizar a sua missão.

Sei que tem pessoas que preferem largar tudo de uma vez, assim tem tempo e energia para se dedicar a sua nova carreira. Essa também é uma forma de se fazer. Conheço pessoas que se deram muito bem fazendo assim. Porém eu prefiro fazer a transição pela segurança.

Quanto a coragem, na época contratei 3 profissionais para me ajudar: Um psicólogo, um coach e um mentor. Mas você não precisa ser tão bundão assim.

Vamos que vamos ter coragem!