Minimalismo

Nesse último ano duas palavras foram muito importantes para mim. Aprendi dois novos conceitos que fiz questão de aprender muito sobre. São eles o Minimalismo e o Essencialismo.

Apesar de seguirem juntos cada um tem o seu sentido. Então para separarmos as coisas, nesse texto falaremos sobre o minimalismo apenas.

Dizem que o minimalismo é muito antigo, mas ganhou muita força de uns anos para cá, principalmente depois do filme “Minimalism” disponível na Netflix. Aqui já vai a primeira dica. Assista. Sério, assista.

Eu tenho como definição:

Mais que modismo, minimalismo é um estilo de vida onde quem o vive está disposto a se livrar dos excessos em favor de se concentrarem do que é realmente importante para encontrar a liberdade, realização pessoal e felicidade.

Traduzindo a definição: É o hábito de ter menos coisas. Comprando apenas o que é útil, eliminando o que é inútil e indo contra a cultura de consumo, muito patrocinada pela publicidade e seus veículos de comunicação. Deu para entender porque uma marca de calçados nunca será a favor desse movimento?



Existem inúmeras as necessidades ao comprar um objeto, porém os minimalistas fogem de duas necessidades:

  • GVA: Sigla de Grande Carência afetiva (o correto é PCA, sendo que P seria um palavrão). Muitas vezes compramos algo não para o uso do produto em si, mas por estarmos fragilizados. Você já comprou uma peça de roupa, um eletrônico, alguma coisa apenas para dar aquela massageada em seu coraçãozinho.
  • Uma necessidade do mundo moderno (não tão moderno assim) o qual eu creio que quem a criou foi realmente quem produzo os produtos para supri-la. Existe até um ditado para isso: “Status é comprar coisas que você não quer, com o dinheiro que você não tem, a fim de mostrar para gente que você não gosta, uma pessoa que você não é”.

O que assusta algumas pessoas é o entendimento errôneo que os minimalistas têm que viver apenas com o básico. Alguns já pensam em um monge com um lençol e um cajado. Não. Você terá apenas o que é importante para você. Se uma estante cheia de livros é importante para você, adivinha? Você continuará com a sua estante de livros. Agora se você não liga para aquela cristaleira em sua sala, já sabe o destino dela.

Resumindo tudo isso, acho que o minimalismo é o filho do desapego e avô da metodologia 5S. Por isso que eu gostei tanto.

Vamos que vamos desapegar?

Rafael Barrêto